Joshua, além de diferente do pai, é filho do mal

Postado por Fabiano Ristow

Meu pai é aficcionado por futebol e Química, talvez dois dos assuntos mais desinteressantes para mim (já chorei de raiva [literalmente] tendo que estudar o segundo para passar nas freqüentes recuperações). Além disso, ele é paraibano, conservador e averso à tecnologia (ele tem o costume de mandar à merda as máquinas eletrônicas de cartão de estacionamento dos shoppings). Eu sou a favor do aborto e da eutanásia, e quero trabalhar com internet. Tudo isso nunca impediu que tivéssemos uma relação amistosa. Um pai pode conviver com um filho diferente dele. Mas até que ponto? E quando a personalidade do filho não é apenas diferente, mas completamente incontrolável?

Joshua é um personagem cliché que segue a linha do Menino Agourento De Terno, como o Sean, de Reencarnação (esse filme é foda), ou Damian, de A Profecia (esse, não). Ele é quieto, inexpressivo e reúne características de um psicopata em formação: extremamente inteligente, carece de empatia e é hábil em mentir/manipular. Quando fala, na maioria das vezes é para fazer uma pergunta ou observação constrangedora (“Você não precisa me amar se não quiser, isso não é uma regra”, ele diz para o pai). O protótipo se desgastou no cinema, mas, no caso em questão, perturba porque é inquietantemente inexplicável; o menino não é o filho da Besta nem a personificação de um espírito ruim. Ele apenas é assim.

Apesar de apelar para alguns truques clássicos e trapaceiros de filmes de terror (a geladeira que revela alguém atrás da porta; os brinquedos destruídos; etc), Joshua rende momentos de desconforto sutil, que em breve tomam proporções hilariamente atrozes. Numa das primeiras cenas, o garoto, com uma habilidade irretocável, toca “Marcia Funebre”, de Beethoven, no piano. Em vez de se situar em segundo plano, o volume das notas encobre o diálogo das pessoas ao redor, o que evoca uma sombriedade irracional. E quando, momentos depois, ele começa a tocar “Brilha, Brilha Estrelinha” numa apresentação escolar, você sabe que há alguma coisa muito errada.

Enquanto isso, o pai de Joshua (Sam Rockwell) vai mal no trabalho, o andar de cima do apartamento produz barulhos irritantes, e a mãe (Vera Farmiga) sofre de depressão pós-parto e se desespera com o choro incessante do bebê que acabou de ter (o filme é pontuado por letreiros que informam os dias de vida da recém-nascida; não importa quanto tempo passe, o caos dentro da casa simplesmente não termina). “Esse filme é um controle de natalidade fundamental”, aponta o crítico Brandon Fibbs. “Se você planeja ter filhos um dia, não o veja. Se já tem, você nunca vai olhar para eles da mesma forma de novo.”

Já críticos como Ed Gonzalez e Michael Koresky preferem classificar o filme de homofóbico. Não há indicações descaradas a respeito da orientação sexual do protagonista, mas Joshua prefere música clássica ao esporte (a citação do primeiro parágrafo é feita na cena em que o menino explicita essa preferência) – o que não tem nada de errado; o fato de alguns espectadores presumirem aí um traço gay não seria, na verdade, um preconceito? Certo, há uma cena mais tarde que… bom, quem ver saberá.

De qualquer forma, é limitado considerar que o ponto do filme é simplesmente igualar o homossexualismo ao mal. O que me chamou mais atenção foi a capacidade do personagem do Rockwell de transmitir serenidade e compreensão naquele ambiente familiar bagunçado. Ele está diante de um filho cuja personalidade parece tomar um rumo totalmente imprevisível (e alarmantemente perigoso), um filho que é uma espécie de espelho invertido (e frustrante) seu; mas a todo custo sustenta o virtuosismo da paciência e empatia. É heróico.

O filme é sobre ele e sobre a angústia que é se voltar contra aquele que teoricamente deveria estar protegido na redoma do amor incondicional. Joshua, acabei de descobrir, foi lançado no Brasil em DVD com o subtítulo O Filho do Mal e o tagline “SUSPENSE DE GELAR A ALMA”. Mas é mais do que um SUSPENSE DE GELAR A ALMA. É sobre o esforço colossal de ser um bom pai. Bom, ainda bem que eu não serei um, heh.

Anúncios

27 Comentários

Arquivado em Cinema

27 Respostas para “Joshua, além de diferente do pai, é filho do mal

  1. Fabiano, o homossexualismo é o Mal. Você mais do que ninguém devia saber disso.

    PS: Vejam esse filme. Sam Rockwell alcançou o sétimo sentido e soltou um Meteoro de Pegasus.

    • Esse comentário é preconceituoso.Você deve ter mais de oito anos e sabe que pode ser preso por tal preconceito dentro de pregações religiosas.Não quero brigar, mas é bom ter uma opnião como a sua para diferenciar os mente-aberta dos habitantes-da-caverna.

      • Manu

        kkkkkk, Habitantes da Caverna,…(Platão)
        Filosofa…. (só achei engraçado pq estou estudando isso,
        vlw)

  2. Wanderson

    A primeira vez que eu assisti esse filme eu tentei me manter um pouco afastado, pois – sim – sou covarde. Sou do tipo que gargalharia na cena da orgia em Perfume só para não perder o controle de mim mesmo; do tipo que o Luis daria um tapa na nuca e diria “cínico filho-da-puta!”.
    Mas aí eu assisti de novo de me envolvi. Senti calafrios até enquanto Joshua explicava para a avó sobre Seth e a serpente que se alimentava dos próprios gritos etc. Aliás, toda aquela parte da exposição Egípcia é espetacular.
    Este filme é ótimo. Até eu recomendo (Y)

  3. Pingback: Trailerama: O Roqueiro Que a Terra Conheceu « O Discreto Blog da Burguesia

  4. Pingback: Recapitulando: 06/07/08 « O Discreto Blog da Burguesia

  5. Pingback: O Melhor Filme de Cada Ano Em Que Estive Vivo - Part Deux « O Discreto Blog da Burguesia

  6. KELI

    eu assisti este filme… acho que a moral da historia esta em quem abusa do garoto… pode ser o tio a vo a mae sei la alguem de uma resposta se eu estiver errada

  7. KELI

    eu de novo.. no filme o pai pergunta se ele é sociopata para piscicologa ela diz que nao… entao eu realmente nao entendi…

  8. A cena da psicóloga foi um problema.

    SPOILERS

    Eu não acho que ela teria tomado o lado do Joshua tão facilmente, foi simplesmente um jeito barato que os criadores inventaram pra complicar a situação do Sam Rockwell.

    E Keli, quem abusa do garoto? O garoto abusa de todo mundo. Os pais dele são desligados e meio incompetentes, mas em momento algum eles machucam diretamente o Joshua.

  9. fabio

    o tio abusa do garoto

  10. Nyele Hendrick

    Um dos melhores filmes que já vi.
    Tu sabes onde posso baixar a trilha sonora, ou sabe o nome da música que o Josh canta no final? Já faz uns 6 meses que vi o filme, canto a música de cor mas não a acho para baixar. Agradeço.

  11. Márcia

    Nyele, o nome da música é “The Fly”.
    É consenso que o tio abusa do garoto?

  12. Anjo

    O lance da psicóloga eu acho q foi o seguinte…

    Ela viu que o Joshua tinha problemas por causa dos maus tratos desde a sua nascencia.
    O Joshua percebeu o carinho que tds tinham com a Lily (sua irmãzinha), e o Joshua até chegou a perguntar para os pais como ele era qdo bebe, e os pais deles se esquivaram. Até que ele achou o video dele qdo bebe e viu o caos que era.

    Ou seja, na minha interpretação, o Joshua é assim por causa do modo que foi criado. Ngm deu a merecida atenção pro garoto.

  13. Etiene Jou

    Filme muito bom. Pena que no final o mal “triunfou”.
    E para quem não entendeu o lance com a psicóloga, foi o seguinte, o Joshua era tão inteligente e maldoso, que fez os desenhos iguais as crianças que sofrem abusos fazem, assim ela pensou que ele também sofria com o pai.
    E reparei que a maldade dele cresceu mais ainda, quando assistiu a fita de quando era bebê, Viu que era um incômodo para a mãe e fez o mesmo para que a irmã também se tornasse um.
    Só não entendi muito o final, que quando ele termina de cantar, o tio o olha assustado.
    Porque isso?

    • moni

      se vc vee a musica que ele cantou vc vai entender porque tipo na musica ele confessou que era um plano desde o incio pra afugentar o pais deles e ele poder ir morar com o tio que ele gosta muito

  14. Gladyson

    O personagem do Joshua, quem assistir o filme se confundi com sua mente , então a questão é Josh fez tudo por ciumes da irmã( na cena da escada ele queria mata a irmã, ou sempre foi seu objetivo matar sua vó) ou Josh apenas constatou com o nascimento de sua irmã que seus pais só o amavam pela pura hipocrisia dele ser o filho deles, na cena do sala que ele está com o tio tocando piano vemos como ele é o tio se dão bem é foi a partir do nascimento de Lilly que ele resolve para de agradar seus pais, para de ser o que não é e inicia seu plano para ficar com seu tio(Sinceramente não vir nada que remita a qualquer relação sexual com o tio, é o fato do tio se assustar no fim da tal musica só reforça isso).

  15. Rafael Totti

    A música que toca no final do filme é Dave Matthews Band – The Fly.

  16. francielly

    Eu adorei mesmo o filme,é muito bom. Mas a questão é que o Joshua só é daquele jeito por inveja da irmãzinha que não dava trabalho para os pais ao contrario dele. Ele fica revoltado por causa disso ,então ele quer morar com o tio,porque no parecer para ele o tio gostava mais dele,e mais, ele matou a vó para enlouquecer os pais e não ter que ir morar com ela e sim com o tio.

  17. Amilton Silva de Carvalho

    Só hoje vi esse filme, alguns anos depois de lançado, mas me impressionei da mesma forma que todos vocês. Percebo que cada um pode descrever um pouco de tudo que se passa na tela, é isso, se juntarmos todas as opiniões teremos uma boa avaliação do filme, só faltou alguém explicar o porquê da cara de surpresa do tio ao ver o garoto tocar aquela música. Lembrem que o tio propôs ao menino fazerem uma música para celebrarem aquele momento e o moleque, em um dos poucos momentos do filme, ou talvez o único, em que ele age sem se esconder, simplesmente toca uma música que já estava pronta e expressando toda sua intenção de ficar ao lado da única pessoa com quem ele se identificava. Ele mataria qualquer um que não fosse o tio, inclusive o bebê, apenas para incriminar aqueles que por ventura tivessem alguma possibilidade de ficar com ele, assim matou a avó, perturbou a mãe e livrou-se do pai. O moleque é tão esperto que conseguiu enganar a psicóloga, a avó, se fingindo religioso, a opinião pública e quase engana o tio, se é que não enganou, kkk…. É o que penso!

    • maik

      tbm assisti só hj.. o tio olha assustado pois até então acreditava que nada fora culpa do menino, só que apartir do momento que ele canta a muscia o tio percebe que td foi orquestrado pelo garoto.. e pelo menos eu não sei vcs, mesmo após acabar o filme fikei imaginando oque seria da bebe em seguida até pq o tio cuidaria dos dois e o garoto acabaria ficando com ciumes dela com o tio..
      e é indiscutivel que o ambiente familiar que o deixou assim., por mais que ele tivece alguma tendencia a um transtornode personalidade (sou leigo nesse assunto) ..

    • assistiu no megapix ? =)

      • No meu ponto de vista , este filme , relato muito bem o que há dentro , do menino e que ele ” precisa ” esconder para conseguir o que quer , achei realmente impressionante no final do filme ele cantando , não sei mais a forma o jeito , apesar de ser uma criança entender e fazer tudo aquilo , realmente impressiona .

  18. maik

    foi sim no megapix , tava saindo pra joga bola só que o filme me prendeu kk ótimo filme

  19. Fabiane

    Eu gostaria de ver a letra da música que ele compos para o tio, pois no megapix passou dublado e não consegui entender a música toda!!!

  20. Guilherme Lira

    Não há nada de homofóbico no filme, como também não há nenhuma insinuação de abuso por parte do tio.
    Joshua poderia ser diagnosticado com a psicopatia. Enxerga o mundo de forma restritamente objetiva, é habilidoso em manipular pessoas e situações, possui QI acima da média e não possui a capacidade de se colocar no lugar dos outros.

    Ele não consegue demonstrar emoções, perceba na cena da morte do cachorro, ele imita o choro do pai, pois percebe que naquela situação, o comportamento esperado pelo meio social é de tristeza e desespero. E na cena em que o pai o diz que é um doente, ele força uma cara de raiva, pois mesmo não sabendo expressar emoções, ele entende que há situações sociais adequadas para serem expressas, exatamente como os psicopatas são.

    Grande filme, e grandes atores.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s