Por que eu me desiludi com os festivais de cinema

Postado por Fabiano Ristow

desilusão

Eu disse no Twitter que me desiludi com festivais de cinema porque a maior parte dos filmes realmente bons (os ruins ou medíocres não contam) acaba estreando depois, e foi como peidar na missa.

Antes de qualquer coisa, eu queria deixar claro que é uma postura pessoal e continuo achando totalmente válido e bonito todo mundo indo nos festivais. Na verdade, eu adoraria estar no Festival do Rio vendo filmes também, mas não estou. E a grande surpresa é que isso não me faz mais sentir culpado.

Minha desilusão, em termos gerais, é fruto de problema financeiro. Eu cheguei à conclusão de que, se você tá com grana e tempo sobrando, o festival é aproveitável. Caso contrário, desilusão. Pouco vale o esforço.

Enfim, o que me responderam no Twitter foi mais ou menos isso:

1) Claro que filmes bons não estreiam. Por exemplo: “Exemplo#1”, “Exemplo#2”, “Exemplo#3” etc.
Sim, eu estou ciente disso. Alguns dos meus filmes favoritos eu vi em festivais e nunca estrearam. (sério) Mas são minoria. É uma proporção de ¼, sendo otimista. (Lembrando que filmes ruins ou medíocres não entram no cálculo, porque senão fica fácil, ok?)

2) Mesmo assim, eles existem. Então, no fim, vale a pena.
Vale se você tem dinheiro e tempo o suficiente pra ver tudo de uma vez só num espaço de dez dias, o que não é o meu caso. Depois de um tempo, você percebe que não consegue fazer mais nada a vista, só parcelado.

3) De qualquer forma, mesmo estreando, demora pra caralho.
Sim, por isso que eu veria um filme com todo o prazer do mundo se eu tivesse tempo e disposição. Mas, não tendo, eu posso aguentar seis meses assistindo a outros bons filmes. Eu realmente perdi aquela urgência que praticamente nos obriga a ver um filme quando ele aparece numa sessão única, como se um bilhete lotérico premiado passasse voando ao seu lado e aquele fosse o seu único momento de ficar milionário. Eu estou confiante de que isso não tem nada a ver com cinefilia em decadência, mas com ansiedade menor – ou ansiedade com outras coisas, o que, de qualquer forma, admito não saber se é melhor.

4) Você vê poucos filmes.
Talvez. Há vários anos eu vejo mais de 20 filmes no Festival do Rio. Depois, vou até São Paulo e assisto a mais 20 na Mostra (e compro a camisa). Eu reconheço que pra muita gente isso é pouco. Pra algumas pessoas, festivais são momentos em que elas veem, tipo, 150 filmes. Elas vão numa sessão atrás da outra, e durante dez dias elas eventualmente matam a fome com um pastel do china da esquina. Eu já fiz isso, mas não tenho mais idade tempo. Além disso, eu tenho um sério problema: eu gosto de refletir sobre os filmes que vejo. Eu não tenho a capacidade de fazer isso vendo dez por dia. Quando o filme é bom e complexo, eu preciso digeri-lo por horas, às vezes dias. É horrível, mas eu sinto prazer nisso.

5) Na verdade, MILHÕES de filmes não estream. É só saber procurar. Você não sabe procurar.
O meu critério é pesquisar sobre os filmes e diretores e descobrir quais foram aclamados em outros festivais e por críticos que admiro e em cuja opinião confio. Eu usava o critério Gostei-da-sinopse-e-vou-ver, mas eu o abandonei porque não valia a pena: eu vi filmes ruins e não eram de graça.

6) Mas, cara, tem toda aquela VIBE CINÉFILA NO AR.
Não me importo.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cinema

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s