Arquivo da tag: charlie kaufman

SPIFF – Terça 21

Postado por Luis Calil

Procedimento Operacional Padrão (Errol Morris) – 7
Procedimento operacional padrão pro Morris, que faz o seu esquema de sempre: consegue tanto questionar o julgamento duvidoso dos soldados envolvidos nas fotos grotescas de Abu Ghraib quanto sublinhar o fato de que eles estavam apenas “recebendo ordens”, e que foram irresponsavelmente jogados num ambiente cuja idéia de certo e errado ficava cada vez menos clara e relevante (a tal da “Névoa da Guerra”) – tudo isso filmado no seu típico estilo expressivo: em um momento, Morris explica como foi criada a linha de tempo de todas as fotos tiradas, e parece a apresentação de Power Point mais elegante de todos os tempos. Uma pena que Morris não decidiu investigar a natureza de Fotografias em si, como estava fazendo em suas dissertações no New York Times.

O Casamento de Rachel (Jonathan Demme) – 7
Fascinante pelo cabo de guerra entre o estilo ultra-naturalista, camera-na-mão, Dogmaesco que Demme escolheu e o roteiro de Jenny Lumet (filha do Sidney [opa, Sidney é o nome do noivo no filme. Hmmm…]), que tem uma leve dose de conveniências dramáticas – tipo o infeliz que ela encontra no salão de beleza, ou o prato de Ethan aparecendo naquela hora – e uma grande dose de monólogos e confrontos melodramáticos, as vezes dando um ar de novela das 8. Não sei mais o que falar, além de que eu me emocionei em alguns momentos, e passei o resto do filme – especialmente quando os personagens davam alfinetadas e roundhouse kicks emocionais nos outros – impressionado mas estranhamente apático.

Sinédoque, Nova Iorque (Charlie Kaufman) – N/A
Não venderam o ingresso pela internet, e não tive tempo de comprar quando cheguei, então esgotou. Mas não faz mal; com 3 horas de sono nas últimas 24, eu ia acabar dormindo mesmo.

4 Comentários

Arquivado em Cinema

Reduzindo a Mostra de SP a Comentários Banais

Postado por Luis Calil


                                                                        Muito caro!”

Amanhã eu chego em São Paulo e começo a assistir filmes de arte da Mostra de SP aos montes por 6 dias, e de quebra o show do The National no TIM Festival. Tentarei providenciar curtos comentários sobre tais filmes de arte e tal show do The National diariamente neste local. Você pode querer checar aqui de vez em quando essa semana. Você pode não querer fazer isso. A escolha é sua. Ninguém vai ter forçar a fazer nada. Cada um Vive Como Quer.

Essa é a minha provável programação, caso você queira me perseguir:

Terça 21

Procedimento Operacional Padrão – 14:50 – Unibanco Arteplex
Novo filme do Errol Morris. Fabiano Ristow uma vez me pediu pra fazer um trabalho de faculdade dele sobre um documentarista, e eu fiz um enorme sobre a vida e filmografia de Errol Morris. Eu tirei a maior nota da sala dele. Agora eu estou recompensando o Morris.

O Casamento de Rachel – 17:40 – HSBC Belas Artes
Raquel está se casando.

Sinédoque, Nova Iorque – 21:40 – IG Cine
Charlie Kaufman está debutando.

CONTINUE LENDO>

4 Comentários

Arquivado em Cinema

Charlie Kaufman e o Post de Intro.

Postado por Luis Calil

Um blog. Sim, mais um. Por que estou fazendo? Não sei bem.

[Nós sabemos perfeitamente bem]

Acho que é porque eu sinto a necessidade de expor certas idéias e pensamentos, pelo menos pra desabafar e abrir espaço na minha cabeça para mais coisas.

[Na verdade, dinheiro e sexo. Nós estamos criando por dinheiro e por sexo. E popularidade.]

[Ninguém disse que é uma boa estratégia]

Escreverei sobre coisas que me interessam: cinema, música, literatura, ciência, política. Observações gerais. O que der na telha.

[i.e. o que chamar mais atenção]

Não garanto nada interessante ou significante. Só sei do que sei; se sair algo bom é lucro.

[Esse blog será composto de pessoas inteligentes, interessantes e significantes. Nunca vi tanta significância num único blog. Dá até nojo]

O título foi escolhido pois acredito que Buñuel é um grande talento, e essa – O Discreto Charme da Burguesia – é uma de suas melhores obras. Achei usar este trocadilho apropriado.

[Na verdade, o título foi escolhido quase aleatoriamente. Nós simplesmente fomos adicionando a palavra “blog” em títulos de filmes e o que fosse mais retardado/engraçado ia levar. Alguns que quase foram escolhidos: “Onde os Fracos Não Tem Blog”, “Blog Runner”, “O Blog Que Veio do Frio”, “Se Meu Blog Falasse”, “Uma Rajada de Blogs”, “Meu Blog Será Tua Herança”, “Bloguinho de Luxo”. PS: Eu não assisti o filme do Buñuel ainda.]

CONTINUE LENDO>

9 Comentários

Arquivado em Geral, meta