Arquivo da tag: christian bale

Trailerama: Quem Vigia O Batman Do Futuro?

Postado por Rodrigo Pinder

A seguir, duas amostras antagônicas do que esperar nos cinemas daqui a aproximadamente um ano:

Watchmen: Quando foi anunciado que a adaptação cinematográfica da graphic novel mais aclamada de todos os tempos – notória por sua complexidade temática, sua maturidade e seu tom frio, realista e sarcástico – seria deixada nas mãos do diretor de 300, uma dúvida pertinente surgiu na cabeça dos admiradores da obra de Alan Moore: será que Zack Snyder, cuja sensibilidade aparentemente se equipara à de um moleque de 14 anos, teria a capacidade de sequer entender o tom de Watchmen, quanto mais de reproduzi-lo em um filme?

O trailer parece confirmar o que já era um tanto previsível: como em 300, há uma preocupação obstinada com a reprodução exata de certos quadros icônicos da HQ. E, como em 300, a coisa toda é visualmente histérica e artificial. A diferença é que Os 300 de Esparta já era uma minissérie bastante adolescente e estilizada, então as frescuras visuais do Sr. Snyder acabaram servindo como uma luva na versão cinematográfica. Watchmen, por outro lado, pedia um mise en scène naturalista, cru e sombrio, algo similar ao que Christopher Nolan acabou de fazer em O Cavaleiro das Trevas.

CONTINUE LENDO>

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Cinema

Review: Batman – O Cavaleiro das Trevas

Postado por Rodrigo Pinder

Filmes de super-heróis costumam funcionar em um nível inversamente proporcional ao quanto se levam a sério. Homem-Aranha foi um sucesso de público e crítica principalmente porque manteve o clima juvenil e novelesco das histórias clássicas de Stan Lee, filtro dramático que ajudou as platéias contemporâneas – acostumadas a enxergar as coisas através das lentes do cinismo – a abstrair a absurdez do conceito e realmente se importar com os problemas românticos e familiares de Peter Parker.

No outro extremo mora o Hulk de Ang Lee, über-sisudo e consensualmente avaliado como uma obra artisticamente ambiciosa e irremediavelmente falha (apesar de ter seus defensores). O público teve dificuldade em levar o drama a sério ao mesmo tempo em que ficou exasperado com os artifícios de montagem, que acabaram servindo principalmente para disfarçar o fato de que em geral não havia muita coisa acontecendo ali.

Batman Begins foi talvez o primeiro exemplo do gênero que conseguiu ser realmente bem-sucedido buscando uma sobriedade naturalista, conseqüência de uma preocupação em levar a própria idéia do Batman – um herói sem poderes que se vale da tecnologia para combater o crime – às últimas conseqüências, vestindo o conceito de um realismo cru que não podia estar mais distante da fantasia gótica de Tim Burton.

Além da platéia não ter que engolir aranhas radioativas, mutações ou monstros esverdeados, todos os detalhes extranormais foram cuidadosamente justificados num nível obsessivo-compulsivo, processo extremamente facilitado pela era de aceleração tecnológica em que vivemos – a maioria dos bat-equipamentos corre o risco de deixar de ser ficção científica num futuro próximo.

Batman – O Cavaleiro das Trevas traz tudo isso de volta, acrescentando de quebra algo que faltou em Begins: um roteiro realmente bom, cortesia de Jonathan Nolan, invariavelmente colaborador nos melhores filmes de seu irmão Christopher (Amnésia, O Grande Truque). Desenvolvendo uma história de Chris e David S. Goyer (responsável pela franquia Blade), Jonathan se tornou o principal responsável pelo filme de super-heróis mais tematicamente complexo de todos os tempos. Não é à toa que críticos o estão comparando a dramas policiais como Fogo Contra Fogo.

CONTINUE LENDO>

14 Comentários

Arquivado em Cinema