Arquivo da tag: crianças

Joshua, além de diferente do pai, é filho do mal

Postado por Fabiano Ristow

Meu pai é aficcionado por futebol e Química, talvez dois dos assuntos mais desinteressantes para mim (já chorei de raiva [literalmente] tendo que estudar o segundo para passar nas freqüentes recuperações). Além disso, ele é paraibano, conservador e averso à tecnologia (ele tem o costume de mandar à merda as máquinas eletrônicas de cartão de estacionamento dos shoppings). Eu sou a favor do aborto e da eutanásia, e quero trabalhar com internet. Tudo isso nunca impediu que tivéssemos uma relação amistosa. Um pai pode conviver com um filho diferente dele. Mas até que ponto? E quando a personalidade do filho não é apenas diferente, mas completamente incontrolável?

Joshua é um personagem cliché que segue a linha do Menino Agourento De Terno, como o Sean, de Reencarnação (esse filme é foda), ou Damian, de A Profecia (esse, não). Ele é quieto, inexpressivo e reúne características de um psicopata em formação: extremamente inteligente, carece de empatia e é hábil em mentir/manipular. Quando fala, na maioria das vezes é para fazer uma pergunta ou observação constrangedora (“Você não precisa me amar se não quiser, isso não é uma regra”, ele diz para o pai). O protótipo se desgastou no cinema, mas, no caso em questão, perturba porque é inquietantemente inexplicável; o menino não é o filho da Besta nem a personificação de um espírito ruim. Ele apenas é assim.

CONTINUE LENDO>

Anúncios

27 Comentários

Arquivado em Cinema

Caguei pro papai

Postado por Fabiano Ristow

Parece que crianças muito pequenas atuam bem mesmo quando nunca fizeram uma aula de teatro sequer, talvez porque a ingenuidade ainda está intacta demais para manifestar qualquer sintoma de falsidade.

Quando ela deixa de ser Criança Muito Pequena e vira Criança, a premissa não mais se aplica, e aí fudeu de verdade. Claro, quando a atuação ruim vem de um adulto, é desagradável. Mas quando vem de uma criança, é simplesmente trágico. É capaz de estragar o filme inteiro, é um caminho sem volta. Isso porque a espontaneidade é a característica mais evidente (e valiosa) da tenra idade.

É por isso que O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias é ruim. CONTINUE LENDO >

6 Comentários

Arquivado em Cinema, Geral