Arquivo da tag: leonera

SPIFF – Sábado 25

Postado por Luis Calil

Leonera (Pablo Trapero) – 7
Um daqueles casos onde o filme vai discretamente te fisgando: a primeira meia hora, introduzindo a situação da protagonista – uma mulher presa por assassinato e colocada na ala de maternidade de uma cadeia por estar grávida – se mantém num modo de observação naturalista respeitosa, sem nenhum aparente rumo, e embora o ambiente seja interessante (e inovador – não lembro de outros filmes sobre maternidade na cadeia), não parece que o filme vai chegar em lugar algum. De repente, o tédio sumiu, e eu notei que estava tentando segurar lágrimas – isso porque Trapero foge da brutalidade de filmes de cadeia e mostra a rotina da protagonista com extrema sensibilidade. E na segunda metade, o drama propriamente dito surge e dá um motor pra narrativa, que vira uma luta de uma mãe pelo seu filho, com direito a tensão Dardennesca. Tematicamente e psicologicamente simples, mas feito com bom gosto e inteligência.

Revanche (Gotz Spielmann) – 6
Gostaria de rever Revanche quando eu estivesse menos sonolento (o motivo desse sono eu não consigo compreender; a noite anterior foi a que eu mais dormi nessa semana). Não que eu tenha dormido durante a sessão, mas em alguns trechos eu tive que travar uma batalha com minhas palpebras, o que desviou a minha atenção de um filme que requer extrema concentração. O estilo de Spielmann é simples, sutil e quase clássico, sempre cortando no lugar certo, mexendo a camera na hora certa e mantendo um ritmo constante. E embora a premissa seja meio batida – é sobre vingança – ela é desenvolvida com bom gosto e inteligência (hoje foi o dia de bom gosto e inteligência). Mas eu acredito que mesmo uma experiência totalmente lúcida não ia acabar com a minha suspeita de que o filme poderia ter perdido uns 30 minutos (ou mantido um ritmo levemente mais veloz) sem nenhum problema.

The National @ Tim Festival
Eu não tenho tempo o suficiente agora para descrever a experiência; vou deixar isso para um post na terça ou quarta-feira, quando eu tiver voltado pra casa. Mas eles tocaram pra caralho, a voz do Matt tava macia como a bunda de um bebê francês, o set list foi bastante satisfatório, “Baby We’ll Be Fine” destruiu meu coração, eu fiquei rouco de gritar e nós (eu e amigos) passamos uns 25 minutos em total falando com membros da banda (e sim, tirando fotos). Nada mal.

1 comentário

Arquivado em Cinema, Música