Arquivo da tag: wagner moura

Filme Brasileiro Engajado – Parte 2

Postado por Fabiano Ristow

Uma consideração sobre Tropa de Elite 2:

O lado bom do filme é que ele a princípio está acima de julgamento moral, não vai ter gente politicamente correta falando que é fascista, etc. Eu não lembro muito do primeiro (exceto que é igualmente medíocre), mas acho que dessa vez ficou mais claro que o Capitão Nascimento é um personagem e não só a voz do Padilha (apesar de certos didatismos), especialmente porque ele emite algumas opiniões absurdas demais pra serem heroicas – tudo através do mesmo voice over eterno, redundante e não perspicaz, e sempre com muitos palavrões pra acrescentar “humor” (porque eu desconfio que brasileiro tem uma tendência a considerar palavrão em qualquer contexto dentro de um filme como sendo humor, o que eu infelizmente detectei quando por alguma razão que agora me escapa à memória eu decidi ver Os Normais no cinema).

É muito fácil gostar de Tropa de Elite 2 porque como todo mundo já falou funciona basicamente como uma catarse de nós, classe média indignada com a corrupção , e dessa vez não tem nem como sentir culpa porque não tem a galera da PUC fumando maconha, etc. Ele funciona como cinema também, porque é bem montado (o que salvou a primeira sequência meio batida relacionando o discurso estereotipado e engraçadinho do Homem da Esquerda [eu não sabia que o Marcelo Freixo fazia mesmo uma ponta] deslocado da realidade à Realidade Cruel) e o Wagner Moura está incrível a ponto de ter fechado minha garganta perto do final. Mas é só, funciona. Ele aciona o mecanismo de convencimento pelas vias emocionais (“isso é verdade, eu li no jornal, muito bom” e o “agora eu já nem sei mais se é assim mesmo que as coisas são, mas se tá batendo no governo então o filme é foda, muito bom”). Mas como cinema é apenas medíocre e quando eu saí da sessão eu me senti um corno desiludido por ter acredito que aquilo era tão bom.

3 Comentários

Arquivado em Cinema

Criticando Críticas: “Ser ou não ser… nunca serão!” (e a tabelinha de 20/06)

Postado por Rodrigo Pinder

“Alas, poor Zero-Meia!”

Tinha que acontecer, mais cedo ou mais tarde: Wagner Moura é Hamlet. Um Hamlet “debochado”, como declara o próprio ator em entrevista ao Jornal da Globo (assistam ao vídeo no G1). “Um Hamlet diferente, um dinamarquês meio à baiana”, acrescenta o repórter Renato Biazzi. É óbvio que a imprensa brasileira, em sua infinita relevância, não poderia evitar comparações entre o protagonista da peça de Shakespeare e o personagem que alavancou a carreira de Moura: “O que eles têm em comum é a dúvida sobre si mesmos, a angústia e um ator brasileiro, Wagner Moura, que da podridão do morro vai agora à podridão do reino da Dinamarca”. Dúvidas e angústia, por acaso, é o que ambos têm em comum com 99,74% dos personagens já criados na História do Drama, seja em romances, peças, filmes, gibis, séries de TV ou reality shows, o que abre caminho para que jornalistas continuem comparando o Capitão Nascimento a todos os personagens interpretados pelo ator, até o Fim dos Tempos.

Por falar em Fim dos Tempos, a estréia da peça ilustra a capa do Guia da Folha desta semana (de onde confesso ter escaneado a foto de Wagner Moura utilizada na espetacular montagem acima), que traz, como sempre, a tradicional tabelinha. Eu sei, eu sei. Eu também não sou nenhum exemplo de relevância. Prometo que quando tiver tempo e disposição falarei sobre coisas realmente importantes; por hora, fiquem com as últimas macacadas dos críticos da Folha de São Paulo:

CONTINUE LENDO>

2 Comentários

Arquivado em Cinema, Criticando Críticas, Teatro