Isto é Isto é Água

Postado por Luis Calil

Traduzi um texto sensacional do David Foster Wallace (chamado This is Water) pra um amigo, e o Sr. Fabiano Ristow sugeriu que eu poste o texto aqui no blog. Três coisas que vocês precisam saber antes de ler:

1) Wallace foi um dos escritores mais aclamados e respeitados das últimas décadas. Infelizmente, poucos textos dele foram traduzidos para o português. Ele tinha uma intensa curiosidade sobre praticamente qualquer tema, e uma incrível, profunda autoconsciência. E ele também era hilário. Se matou em 2008, aos 46 anos de idade, depois de uma longa batalha contra a depressão. Eu odeio escrever mini-biografias.

2) Já existe uma tradução desse texto vagando por aí, mas a minha é melhor, porque eu a fiz. QED.

3) Esse texto é na verdade um discurso de graduação que ele fez em 2005, na universidade onde ele dava aula. Quando caiu na internet, o texto fez bastante sucesso. Por que? Eu não ousaria tentar explicar a mágica dele. Vai fundo:

***

ISTO É ÁGUA
David Foster Wallace

Há dois peixes jovens nadando ao longo de um rio, e eles por acaso encontram um peixe mais velho nadando na direção oposta, que pisca para eles e diz, “Bom dia, rapazes, como está a água?”. E os dois peixes jovens continuam nadando por um tempo, e então um deles olha pro outro e diz, “Que diabos é água?”.

Se você está preocupado pensando que eu estou planejando me apresentar aqui como o peixe velho e sábio explicando o que é água, por favor não fique. Eu não sou o peixe velho e sábio. O ponto imediato da história dos peixes é que as realidades mais óbvias, ubíquas e importantes são frequentemente as mais difíceis de se ver e discutir. Declarada como uma frase, é claro, isso é só um lugar-comum banal – mas o fato é que, nas trincheiras diárias da existência adulta, lugares-comuns banais podem ter importância de vida ou morte.

Continuar lendo

11 Comentários

Arquivado em Geral, Literatura, Politica, Religião

A Origem Da Conquista Do Planeta Dos Macacos Também Se Levanta

Postado por Rodrigo Pinder

O título original de Planeta dos Macacos: A Origem é Rise of the Planet of the Apes, similar a G.I. Joe: The Rise of Cobra, aqui chamado de A Origem de Cobra, ou quiçá o próximo filme de Christopher Nolan, The Dark Knight Rises, mas definitivamente não como o filme anterior de Christopher Nolan, A Origem. Seria concebível alguém enxergar um padrão aí, talvez um serial killer que decifrou uma mensagem nesse padrão depois de uma maratona de Fringe e decidiu se fantasiar de macaco e matar o John Lightgow, que além de estar em Planeta também participou da série Third Rock From The Sun com Joseph-Gordon Levitt, que por sua vez está em A OrigemRise of Cobra e The Dark Knight Rises. Hello. Is this on?

Oi. Por motivos entediantes demais pra comentar, faz mais de um ano que eu não escrevo aqui. Decidi voltar em fluxo de consciência seguindo o “raciocínio” mais imbecil que consegui pensar porque eu escolhi falar de um filme de ação com pretensões sci-fi que não faz o menor sentido. Não me entendam mal, Planeta dos Macacos: A Origem é um bom filme e tem grandes momentos. E, claro, 100% deles envolvem macacos. O problema, como já se suspeitava desde o trailer, é o quociente Homo Sapiens, que parece ter sido definhado de propósito, como se torna-lo psicologicamente bidimensional deixasse os macacos mais verossímeis como criaturas visualmente tridimensionais, ou algo assim. Acompanhem-me enquanto eu tento explicar o que diabos eu estou dizendo, se é que eu ainda me lembro como se usa isso aqui.

KEEP WALKING>

2 Comentários

Arquivado em Atualidade, Ciência e Tecnologia, Cinema

Depressão, desespero e tranquilidade no fim do mundo, tudo ao mesmo tempo

Postado por Fabiano Ristow

“Sookie”

Um fator angustiante para quem já teve depressão de verdade: “Melancolia” a ilustra perfeitamente. Não a introduz, nem a desenvolve, apenas a despeja lá em seu estado mais avançado e cruel, no ponto em que a pessoa não consegue mais se mexer, quando perde noção de consequência ou não se importa mais com ela, ou, como resumiu nosso amigo Rodrigo Pinder ao falar de “Anticristo”, quando “a mente fragilizada é um balão cheio de ar, e cada ideia destrutiva serpenteando em seu subconsciente um alfinete”. Ou você entende, ou acha exagero. Não é exagero. Talvez esse tenha sido um erro do Lars Von Trier. Ele não pede licença para apresentar a depressão. Se você não tem experiência com ela, direta ou indiretamente, será como uma incógnita, um filme com uma personagem misteriosa, ou, como algumas pessoas gostam de definir, “maluca” – porque é mais fácil. Mais uma vez, não que elas tenham culpa. Vai ver o Trier fez mesmo um filme fechado demais. Tanto ele quando a Kirsten Dunst já sofreram com a depressão, e eles sabem que não adianta explicá-la sem parecer meio ridículo e incompreensível para quem está de fora, e não fizeram esforço para desmistificá-la, apenas para retratá-la. Ela existe, é daquele jeito, e é isso.

Com relação aos outros personagens de “Melancolia”, não sei se dá para dizer o mesmo. São muito improváveis. Stellan Skarsgård é um empresário fanático e ganancioso demais, Charlotte Rampling é uma mãe pessimista e amargurada demais, Alexander Skarsgård é um marido bonzinho e compreensível demais, Brady Corbet é um aprendiz manipulável e ingênuo demais, e Kiefer Sutherland é um cunhado insensível e arrogante demais. Talvez a história de vida de cada um deles os tenha tornado realmente assim, mas Trier não dá seus históricos. Mais uma vez dispensa satisfações e você se vê na única saída possível, a de tentar desesperadamente entender com muito esforço e imaginação quem são aquelas pessoas e por que elas são desse jeito. Eu não sei por que Trier fez isso. Talvez ele tenha tido a intenção de criar personagens estereotipados que não devem ser encarados literalmente, e sim sob a perspectiva de uma mente depressiva e deturpada, que enxerga qualquer traço de personalidade como um golpe de faca. Talvez ele tenha cagado a capacidade de compor personagens humanos e identificáveis (não necessariamente realistas) como ele já fez outras vezes como poucos. De qualquer forma, o resultado é que, se você não conseguiu estabelecer simpatia com a Dunst e a sua depressão já no começo, é possível que nessa altura você encare “Melancolia” como uma piada sem graça.

Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Cinema

O Senhor De Todos Os Livros Sobre Estar Preso Numa Ilha Deserta

Postado por Fabiano Ristow

Ficar preso numa ilha deserta é um dos grandes medos do imaginário coletivo, como o monstro debaixo da cama é para a criança. O que é curioso, porque não é um medo que envolve necessariamente a ideia de morte, talvez o suprassumo dos temores do homem – pelo menos não num primeiro nível, porque você não espera morrer imediatamente de fome ou sede como se estivesse à deriva num barco. Você vai comer frutas e se proteger contra a chuva num abrigo improvisado, e o resto você aprende com o tempo, como o Tom Hanks ensinou em “Náufrago”. Claro, ao primeiro sinal de uma doença grave você estará perdido porque não haverá tratamento, mas essa é uma preocupação futura (se você não for hipocondríaco).

O que torna a situação da ilha realmente apavorante, eu acho que é o tédio e desconforto que ela implica. Estar num pedaço de terra sem ter o que fazer, a não ser as coisas básicas para a sobrevivência, comer e beber, e sempre através de muito esforço, sem talheres nem papel higiênico. O terceiro fator, se você chegou à ilha sozinho, é a solidão. Talvez, finalmente, a noção da morte apareça indiretamente aí. Muita gente já se matou por causa dessas coisas.

O fato é que se perder numa ilha deserta tem a aura de uma casa mal assombrada, e todo mundo já brincou de perguntar “o que você faria se fosse parar numa ilha deserta?”, como uma espécie de versão negra e deprimente de “o que você faria se ganhasse na loteria?”. Como consequência, a premissa foi, é e será explorada pelos livros e filmes. Não só ela, como também os temas que aprendemos a esperar dela, de uma história sobre uma ou um grupo de pessoas isoladas da civilização por tempo indeterminado e perdendo a esperança de serem salvas: o retorno à selvageria, o lado obscuro da natureza humana, o medo do desconhecido e a relação com o poder.

São temas praticamente obrigatórios nessas histórias, onde, no caso de um grupo de pessoas, elas precisam conviver umas com as outras num espaço físico limitado por tempo ilimitado. Isso é aterrorizante: lidar com o jeito do outro sem que em um momento específico uma autoridade possa interferir e apontar quem está errado – e mesmo que você seja julgado como o errado, pelo menos é um ponto final na história, para que você possa continuar a vida e seguir para outras preocupações. Eu acho que esse é um conforto em todos os conflitos humanos, e também o que os torna suportáveis: saber que em algum momento eles vão acabar, que em algum momento você poderá dizer “então deixe a Justiça decidir”. E mesmo que você não possa fazer isso, mesmo que não possa delegar o fardo da decisão a qualquer outra coisa que não você, ainda existe a segunda opção, que é sair de perto. O Big Brother só é possível porque termina 3 meses depois, o casamento sem amor só é possível porque você pode pedir o divórcio.

CONTINUE LENDO O POST>

3 Comentários

Arquivado em Literatura

Top 20 Músicas de 2010

Postado por Luis Calil

James Blake, que não aparece na lista de 2010, mas vai na de 2011

Agora que já se passaram 25 dias (!) do fim de 2010, nós podemos finalmente ter a perspectiva (!) pra considerar o que os artistas musicais pelo mundo a fora (i.e. EUA e Inglaterra, basicamente) produziram de fantástico e especial ao longo do ano.

Uma regra: Só incluirei uma música por artista, caso contrário o The National ocuparia um terço da lista e estragaria a festa.

20.
“Why Won’t You Make Up Your Mind?” – Tame Impala

John Lennon voltou, agora como um hippie australiano, e não gostou de nada que aconteceu com a música nos últimos 30 anos. Portanto, de volta às raízes.

19.
“Runaway Love” – Justin Bieber

Michael Jackson também voltou, agora como um pirralho com cabelo terrível, mas sem perder sua voz maravilhosamente aguda e elástica. Uma das melhores músicas pop mainstream desde a obra-prima do outro Justin.

18.
“Odessa”  – Caribou

Falando em Michael Jackson, essa aqui começa como se tivessem colocado uma banda disco numa mansão mal assombrada na Groenlândia. O falsete do Dan Snaith é a arma principal, sua repetição hipnótica no refrão confirmando que nenhum lugar é sombrio ou gelado demais pra se começar a dançar.

 

CONTINUE LENDO

2 Comentários

Arquivado em Atualidade, Música

Dez Trailers Memoráveis da Última Década

Postado por Fabiano Ristow

A não ser que você seja uma pessoa amargurada, assistir aos trailers antes do filme começar é uma das experiências interessantes no ritual de ir ao cinema, mesmo que não seja a principal. É provável que alguns esperem que um bom e honesto trailer apresente uma pequena prévia do que será o filme. Mas aí você pega o caso de Dama na Água, por exemplo, cujo teaser indica que se trata de uma fantasia doce – quando na verdade é também um suspense/terror. Ele é então um trailer trapaceiro? O que é um trailer bom? Basicamente, eu consigo pensar em dois casos: o que termina e te deixa pensando “Eu preciso ver esse filme” e o que tem uma boa edição. É curioso como um trailer elegantemente editado é o suficiente pra me fazer crer que o filme precisa ser visto, ainda que muito comumente ele tenha sido produzido por um departamento publicitário sem nenhuma relação com o diretor e suas ideias.

Então listei os 10 trailers memoráveis dos anos 2000, pra mim, que são um caso ou o outro, ou ambos. Em ordem alfabética:

A.I. Inteligência Artificial (2001)

É o trailer que absorve toda a sua atenção imediatamente. O feixe de luz que jorra na tela escura nos primeiros segundos é tipo uma representação visual da trilha do Zbgniew Preisner, na qual uma nota aguda surge de repente de um acorde grave. A partir daí parece que você está em um plano transcendental pós-morte, as mensagens na tela falam de um menino que caminha indistinguível em direção à câmera justamente como um fantasma. Depois que você entende que é um robô, parte da letra “A” se solta e forma a sigla “A.I.” – o título -, num truque de design tão perfeito que até hoje tenho vontade de pendurar o logo desse filme na parede do meu quarto.

CONTINUE LENDO>

Deixe um comentário

Arquivado em Cinema

Girl Talk Não Nos Convidou

Postado por Luis Calil

Ao me posicionar em frente ao palco Indie do festival Planeta Terra, às 02:00am, pra ver meu último show da noite, eu reparei (lembrei, na verdade) em algo que me deixou semi-apreensivo: o Girl Talk não tem banda; é só um cara e uns laptops. Não que Yeasayer ou Phoenix – outras bandas que também tocaram no festival – sejam o auge do carisma no palco, ou que as fantasias dos “dançarinos” de Of Montreal fossem visualmente instigantes, mas pelo menos essas bandas fornecem algum tipo de distração, algo pra observar enquanto você escuta o som (nem que seja pro meu colega Fabiano Ristow reparar que certo guitarrista de certa banda parece o Fiuk).

Na verdade, o conceito de um show onde o palco e o artista não são o centro das atenções é algo extremamente nobre; a música eletrônica ao vivo sempre operou dessa forma, desinflando o ego dos artistas, colocando o foco no prazer e movimento e interesse visual da própria platéia. O festival Planeta Terra, no entanto, não é uma boate ou uma rave, e indies são treinados por experiência a olhar pro palco. Eu temia que a plateia não fosse ficar visualmente distraída o suficiente pra se entregar ao show – a não ser que o Girl Talk tivesse um às na manga.

CONTINUE LENDO>

5 Comentários

Arquivado em Atualidade, Música

High School Classical

Postado por Fabiano Ristow

“Quem é fã de Penderecki?”

Daí que o ensino de música passa a ser obrigatório nas escolas a partir do ano que vem, o que pareceu uma ideia muito bacana até o momento em que não pareceu mais. Fui então regredindo em uma série de pensamentos aterrorizantes e culposos, a começar pela pergunta: mas o que a música ensina?

Ensina concentração, cooperação, linguagem e memória. É o argumento pedagógico. Ok, aprender a tocar instrumentos desenvolve todas essas habilidades. Isso provavelmente é muito útil para as crianças e encerra a questão da validade do ensino de música nas escolas.

Se eu tivesse tendo essa discussão ao vivo, é possível que eu concordasse com a conclusão, mas iria embora pensando com os meus botões: ok, é válido, mas não teriam outros assuntos mais válidos para se ensinar?

Eu odiava quando meus amigos falavam que Química e Física não adiantavam pra porra nenhuma, que eles fariam Letras ou Jornalismo e todas aquelas fórmulas e leis não adiantariam para nada. Aí eu, que já sabia que faria Jornalismo e teoricamente era para concordar com eles, dava a resposta pedagógica e fácil: “Vocês acham que essas matérias são inúteis, mas elas estão desenvolvendo em vocês o raciocínio lógico, a memória, a concentração, habilidades que serão úteis em qualquer profissão”, etc.

O problema é que logo depois que eu saí da escola eu percebi que tinha uma carência absurda de conhecimento a respeito de coisas práticas e importantes para a Humanidade. Por exemplo, economia e política. Aí eu pensei: certo, Química e Física desenvolvem todas aquelas habilidades e tudo, mas outros assuntos não teriam sido mais válidos? Aos 16 anos, você já pode eleger um presidente que vai definir, no mínimo, o futuro de um PAÍS. Se fosse obrigatório nas escolas o ensino de economia e política, você poderia tomar essa decisão de forma muito mais consciente e embasada, e contribuir para um mundo melhor e tudo o mais. Não seria mais útil?

Acontece que sair por aí defendendo o fim da Física, da Química (e da Música) seria de uma irracionalidade e pateticismo formidáveis, até porque, para muitos (muitos), essas matérias acabam sendo úteis na prática, e quem sou eu para definir uma grade escolar sentenciando o que deve sair para entrar Política e Economia. Isso significa que eu não vou defender nenhuma posição sobre essa questão. Então vou retomar de onde parei: aprender a tocar instrumentos musicais na escola é útil porque ensina um monte de habilidades.

CONTINUE LENDO>

1 comentário

Arquivado em Ciência e Tecnologia, Geral, Literatura, Música

Autoexclusão Não Intencional Em Se Tratando De Cinema

Postado por Fabiano Ristow

“Filme de arte”

Mais alguns casos de pessoas fazendo coisas e tendo em retorno exatamente o contrário do que elas esperavam.

Eu vi esse editorial hoje chamado “Nojento”, do Cahiers du Cinema. Ele diz que o rótulo “filme de festival”, dado por comitês e mecanismos franceses a certos filmes que precisam de apoio, é falso e nojento. (só reforçando que falso e nojento é o rótulo “filme de festival”, não o “filme de festival”) Rotular um filme como “filme de festival” seria marginalizá-lo e eventualmente destruí-lo, já que o colocaria numa classe separada dos “filmes reais” (i.e. filmes comerciais, que são exibidos pra maioria). E aí o texto aponta a ironia que é filmes sendo subestimados e excluídos por causa de um rótulo dado por grupos que foram criados originalmente justamente para promover a diversidade.

CONTINUE LENDO>

1 comentário

Arquivado em Cinema

Uncle Boonmee Que Lembra o Outro Filme do Joe

Postado por Fabiano Ristow

“Até que enfim”

Um monstro bizarro de olhos vermelhos surgir no escuro depois de uma sequência de uns dez minutos mostrando nada além de um búfalo na floresta, em “Uncle Boonmee”, soou, por incrível que pareça, previsível, ainda que essa seja uma das primeiras cenas. Foi uma espécie de deja vu. Eu reagi exatamente da mesma forma que os personagens reagem quando, pela primeira vez (no filme, não na vida deles), ficam diante de um evento sobrenatural e abrupto: momentaneamente surpreso, mas não exatamente impressionado, apesar do Joe (ou Apichatpong Weerasethakul, prefiro o mais fácil – embora eu saiba pronunciar a versão tailandesa) conseguir aqui materializar essas cenas absurdas da forma mais elegante até hoje.

Provavelmente também da mesma forma que Joe reage quando vê um fantasma na vida real. Numa noite em um hotel em Paris, ele viu uma mulher de branco desaparecer perto da cama dele, ficando transparente, “como em um filme”, ele descreveu. Cineastas competentes geralmente conseguem transportar uma situação real para as telas mantendo as implicações e atmosfera do evento original; quando esse momento envolve um fator incomum e estranho, no entanto, é preciso de um diretor num patamar acima.

Em estilo, tema e humor, “Uncle Boonmee” poderia ser uma continuação de “Mal dos trópicos”. Ele, mais uma vez, coloca monstros, espíritos e animais falantes na nossa frente sem recorrer com antecedência a nenhuma estratégia narrativa convencional (e.g. com o objetido de nos fazer aceitar fantasia) e ainda assim PLAYS naturalmente. Na realidade, a essa altura do campeonato, vendo “Boonmee”, eu sequer me sinto assistindo a uma fantasia, o que talvez seja o trunfo do Joe. O que, obviamente, não torna menos engraçado e incrível quando uma pessoa diz para a mãe que copulou com um macaco.

Sobre o que essas relações íntimas e cruas entre homem (e mulher) e natureza significam, eu tenho minhas teorias pretensiosas, mas, no caso de “Boonmee”, estão conectadas entre si muito mais numa esfera emocional do que racional – diferentemente de “Mal dos trópicos”, onde eu conseguia enxergar um ponto claro sobre o papel do amor e da sexualidade. Agora, é mais como se eu estivesse vendo borrado, sem conseguir detectar onde termina uma forma. Mas se o Joe me perguntasse numa festa se eu entendi o filme, com sorte eu diria “sim”, caso eu já tivesse tomado mais que três taças de vinho.

Ainda que eu não necessariamente concorde. Pra mim é óbvia a mensagem sobre um retorno à natureza e o papel que a tecnologia e o nosso estilo de vida desempenham para impedir isso – morra de surpresa, há uma parte do filme que se passa no campo e outra na cidade -, mas se existe alguma valorização em relação a esse processo, se é uma apreciação (espero que não) ou apenas uma constatação, não sei, ou não me importo, enfim. A forma com que o Joe pinta isso é poderosa por si só. Tem uma cena mais para o fim que é uma das coisas mais aterrorizantes, claustrofóbicas e misteriosas dos últimos tempos – ela é filmada com a câmera na mão, e a simples mudança imprevisível de estilo imediatamente já eleva a tensão.

Mas ver “Boonmee” foi como ver um filme excelente pela segunda vez, já sabendo dos spoilers. Você consegue se empolgar, mas não se surpreende mais, nem é tão mágico quanto a primeira assistida. E, mesmo se fosse o meu primeiro filme do Joe, não faria cócegas em “Mal dos trópicos” (e ainda acho “Síndromes e um século” mais legal, ironicamente por razões opostas: muito menos pela bizarrice, mais pela tranquilidade). Eu acho que todo mundo que votou em “Boonmee” em Cannes nesse ano viu a filmagrafia do Joe no ano passado, e pensou que seria uma ótima ideia premiá-lo pelo conjunto da obra e pelo tempo que o mundo perdeu sem a visibilidade que ele merece. Eu teria feito o mesmo.

Deixe um comentário

Arquivado em Cinema

Como nosso cérebro atrapalha a eleição

Postado por Fabiano Ristow

Meu post anterior: ignore-o. Ele acaba de se tornar completamente obsoleto por causa desse TEXTO que o Luis achou e me mostrou.

Ele basicamente argumenta, com sustentação científica, como é esperado que as pessoas ajam de forma tão retardada e imbecil em épocas de eleição.

Isso por causa do princípio já conhecido de que a gente costuma basear nossas opiniões nas nossas crenças e não nos fatos. A gente interpreta a informação de forma que ela seja compatível com o que a gente já tinha como verdade. Daí deturpamos e selecionamos as notícias à vontade para que possamos xingar muito no Twitter como se fôssemos extremamente politizados e antenados, quando na verdade não estamos sendo autoconsciente o suficiente para perceber a imbecilidade do próprio comportamento (ver o post anterior).

Como resultado, temos a ironia de que as opiniões mais fortes acabam sendo proferidas justamente por quem é mal informado (eu adicionaria preconceituoso também). A pessoa cata as informações superficiais, faz uma coleção de opiniões usando a estupidez como critério de filtro e sai esbravejando o que é “incontestavelmente correto”, atitude relacionada à síndrome do “Eu sei do que estou falando”, conforme o texto. É exatamente o que eu falei sobre o extremismo disfarçando a própria ignorância. Obrigado, ciência.

Na internet, principalmente, é facílimo fazer essa seleção burra. Se você tivesse ideia da quantidade de pessoas que eu considerava espertas e sensatas que me encaminharam e-mails-spam.

O artigo aponta que uma possível solução para esse problema é distribuir uma injeção de autoestima, já que as pessoas com esse remédio estariam mais propensas a mudarem de opinião (por que isso soa óbvio para mim?). Eu insisto: terapia é ótimo para isso. Bolsa Psicologia neles.

Deixe um comentário

Arquivado em Ciência e Tecnologia, Politica

Tweets #perspicazes, #politizados

Postado por Fabiano Ristow

Um dos mais graves problemas de uma sociedade não-educada (e.g. Brasil) é a falta de autoconsciência de seus integrantes, e as eleições da Era Twitter conseguiram explicar pra gente um pouco mais da profundidade dessa doença.

Os sintomas começaram muito antes das eleições, quando as pessoas perceberam que poderiam bancar o quinto poder e bater na imprensa, sentir aquele prazer de afetar o que seria “intocável”. Para isso, bastava metralhar um xingamento, pedir para os seus amigos retuitarem, e em poucas horas a expressão estaria em exposição nos trending topics mundiais, deixando os homens de preto que comandam a mídia maligna constrangidos diante da comunidade internacional. Além disso, sabe-se que dar reply obriga o seu tweet a aparecer na timeline do seu alvo, o que na escala do Crítico equivale a penetrar na sede de um serviço de inteligência proferindo verdades inconvenientes. Embriagadas com esse poder, as pessoas então evacuaram tweets direcionados a jornais, revistas e jornalistas.

Eu acho que essa vontade de criticar a imprensa devia ser uma espécie de desejo reprimido ao longo de muitas décadas, e, como geralmente acontece quando desejos reprimidos são liberados, as pessoas passaram a agir de forma irracional e contraditória.

Por exemplo, acusando a imprensa de parcialidade (era sempre um choque quando eu lia um tweet com essa informação extremamente original e ousada) e em seguida mandando o link de um blog obscuro de algum jornalista demitido e partidário (obviamente o símbolo da análise equilibrada e precisa). Ou dizendo que a imprensa acusa sem provas e em seguida encaminhando aos seus 80 contatos um email-spam com um texto com letra fonte 27 e frases como “REPASSE . . . NÃO SE ESQUEÇA TEMOS 87% DE NOSSA POPULAÇÃO NA INTERNET” explicando por quê o candidato é o Diabo e contendo histórias obviamente verídicas (já que o texto não está atrelado aos interesses negros dos grandes editores). De forma geral, todos passaram de vitimas da Grande Imprensa a estudiosos da imprensa, e o Brasil, como já disseram, virou a faculdade de Comunicação mais chata do mundo.

(Só reforçando que meu problema não é com as críticas à imprensa, que deve ser questionada, sim. É com essa coisa de falar e fazer pior, entende.)

Uma das maravilhas que os brasileiros descobriram no Twitter é que eles poderiam legitimar a Crítica Sem Embasamento, por causa do limite de caracteres. Antes, era meio complicado criticar num blog porque blog está relacionado ao conceito de “texto”, que por sua vez está relacionado ao conceito de argumentação, o que é um pesadelo para uma sociedade não-educada (e.g. Brasil). As Críticas Sem Embasamento vieram, principalmente, em forma de piadinhas envolvendo a afetação física e a roupa dos candidatos (“Serra é o Pink do Pink e Cérebro #fato” / “HAHAH GENIO RT A Dilma parece o Walter Mercado masculinizado”, etc), provavelmente porque o brasileiro tem essa noção de que Humor = stand up comedy brasileira (um lágrima acaba de escorrer sobre meu rosto).

Vieram também na forma de uma coisa que surge quase que automaticamente quando você tem o ambiente perfeito para falar sem ser questionado (se alguém te der reply sempre existe a opção de ignorar ou, melhor ainda, bloquear): o extremismo. O extremismo é um recurso maravilhosamente conveniente e satisfatório pra quem não tem ideia do que está falando, porque você pode até falar de forma vaga, mas fala tão enfaticamente que passa a ter a ilusão que a pessoa do outro lado vai pensar: “Caramba, se ele é tão contundente e seguro nessa opinião, então ela só pode ser verdadeira”. Ou seja, é a arma perfeita para disfarçar a própria ignorância e insegurança, e você nem precisa argumentar. Imagina o prazer que isso dá.

O mais incrível é que uma quantidade assustadora desses comportamentos parece ter sido engatilhada totalmente inconscientemente. Quase não se parou para pensar: “Meu Deus, o que eu estou falando?”. A internet tem uma característica terrível que é registrar tudo o que você fala. Daqui a alguns anos, essas pessoas vão ler o que escreveram, e aí vai valer como dez anos de terapia. Aliás, o que as eleições na Era Twitter nos ensinaram, principalmente, é que o brasileiro precisa de terapia. O Bonner acabou de anunciar na televisão que a Dilma está eleita, se for esperta ela faz o Bolsa Psicologia.

1 comentário

Arquivado em Imprensa, Politica

Filme Brasileiro Engajado – Parte 2

Postado por Fabiano Ristow

Uma consideração sobre Tropa de Elite 2:

O lado bom do filme é que ele a princípio está acima de julgamento moral, não vai ter gente politicamente correta falando que é fascista, etc. Eu não lembro muito do primeiro (exceto que é igualmente medíocre), mas acho que dessa vez ficou mais claro que o Capitão Nascimento é um personagem e não só a voz do Padilha (apesar de certos didatismos), especialmente porque ele emite algumas opiniões absurdas demais pra serem heroicas – tudo através do mesmo voice over eterno, redundante e não perspicaz, e sempre com muitos palavrões pra acrescentar “humor” (porque eu desconfio que brasileiro tem uma tendência a considerar palavrão em qualquer contexto dentro de um filme como sendo humor, o que eu infelizmente detectei quando por alguma razão que agora me escapa à memória eu decidi ver Os Normais no cinema).

É muito fácil gostar de Tropa de Elite 2 porque como todo mundo já falou funciona basicamente como uma catarse de nós, classe média indignada com a corrupção , e dessa vez não tem nem como sentir culpa porque não tem a galera da PUC fumando maconha, etc. Ele funciona como cinema também, porque é bem montado (o que salvou a primeira sequência meio batida relacionando o discurso estereotipado e engraçadinho do Homem da Esquerda [eu não sabia que o Marcelo Freixo fazia mesmo uma ponta] deslocado da realidade à Realidade Cruel) e o Wagner Moura está incrível a ponto de ter fechado minha garganta perto do final. Mas é só, funciona. Ele aciona o mecanismo de convencimento pelas vias emocionais (“isso é verdade, eu li no jornal, muito bom” e o “agora eu já nem sei mais se é assim mesmo que as coisas são, mas se tá batendo no governo então o filme é foda, muito bom”). Mas como cinema é apenas medíocre e quando eu saí da sessão eu me senti um corno desiludido por ter acredito que aquilo era tão bom.

3 Comentários

Arquivado em Cinema

Pelo 3D

Postado por Fabiano Ristow

O desenrolar natural era mesmo que o 3D se tornasse moda, mas a coisa ta ficando séria. Dá uma olhada no trailer do Resident Evil 3, ou 4, enfim:

Notem que não é tanto um trailer de um filme quanto de uma tecnologia. Eles escancaram que o filme foi gravado com a mesma câmera de Avatar com o mesmo mérito que outros trailers esfregam que o filme ganhou a Palma de Ouro. E seguem cenas exibicionistas de objetos voando na tela. Aparentemente todas as cenas desse Resident Evil 4 ou 5 serão uma desculpa pra mostrar objetos voando na tela. Óculos voando na tela. Cacos de vidro voando na tela. Se tiver uma cena em que um personagem cospe um chiclete, não tenho dúvidas que ele voará na tela, EM TRÊS DÊ (e em câmera lenta).

Hoje foi anunciado que teremos mais uma seqüência de “O chamado”, em 3D (naturalmente), e “the studio says it hopes to ‘reinvent’ the Ring franchise by making it ‘more teen-centric than the first.’” Bons tempos aqueles em que se fazia continuação por ter mais história pra contar.

O Felipe lembrou que, com a invenção do cinema falado, começou uma corrida armamentista pros filmes acompanharem a nova tecnologia, e meu medo é que o mesmo esteja acontecendo com o 3D. Pelo menos o diálogo tem alguma função narrativa, enquanto o 3D, dadas as amostras, será um show-off infanto-masturbatório de Hollywood. Reflitão/

Sem falar que é um recurso excludente e humilhante pra quem já usa óculos.

3 Comentários

Arquivado em Cinema

Jogos, Trapaças e Amor Fraterno

Postado por Rodrigo Pinder

brothers-bloom-rs2

As pessoas deviam dar mais atenção a Rian Johnson. Ele está fazendo coisas raras no Cinema. São raras, por exemplo, as ocasiões em que você pode usar o termo “pastiche” com uma conotação positiva. Mesmo o imitador mais bem-sucedido do mundo (Tarantino) é ocasionalmente acusado de superficialidade. Nesse espectro, Johnson parece disposto a fazer carreira de exceções que provam a regra. Brick, o longa de estréia do diretor (lançado direto em DVD no Brasil com o título A Ponta de um Crime[1]) atiçou o circuito indie assim que apareceu em Sundance.

Trata-se de uma obra singular, que utiliza uma das premissas mais básicas da ficção (a investigação de um crime) para criar um drama complexo, injetando uma atmosfera noir e riffs de histórias de gangsters e detetives em um ambiente de filme colegial. A combinação a priori pode soar ridícula, mas a genialidade está justamente em mostrar o quanto os clichês de ambos os gêneros são parecidos: manipulação, um herói proscrito, violência, valentões, femme fatales, etc. Podia ter dado errado, mas funcionou porque a direção confiante acertou o tom exato entre sátira e seriedade.

Foi o suficiente para que seu segundo projeto contasse com um orçamento aproximadamente 40 vezes maior e dois Academy Award Winners® no elenco. The Brothers Bloom (lançado no Brasil com o título Vigaristas [2]) pode não ser tão original quanto Brick; a montagem e a trilha criam um clima vívido e amigável para o público (ocasionalmente evocando bastante o estilo de Wes Anderson), mas acessibilidade não é necessariamente uma característica ruim. Brick é talvez uma expressão mais pura da arte do autor, mas Bloom é simplesmente mais rico e divertido, além de discutivelmente mais maduro.

CONTINUE LENDO

2 Comentários

Arquivado em Cinema