Arquivo da categoria: Música

Top 20 Músicas de 2010

Postado por Luis Calil

James Blake, que não aparece na lista de 2010, mas vai na de 2011

Agora que já se passaram 25 dias (!) do fim de 2010, nós podemos finalmente ter a perspectiva (!) pra considerar o que os artistas musicais pelo mundo a fora (i.e. EUA e Inglaterra, basicamente) produziram de fantástico e especial ao longo do ano.

Uma regra: Só incluirei uma música por artista, caso contrário o The National ocuparia um terço da lista e estragaria a festa.

20.
“Why Won’t You Make Up Your Mind?” – Tame Impala

John Lennon voltou, agora como um hippie australiano, e não gostou de nada que aconteceu com a música nos últimos 30 anos. Portanto, de volta às raízes.

19.
“Runaway Love” – Justin Bieber

Michael Jackson também voltou, agora como um pirralho com cabelo terrível, mas sem perder sua voz maravilhosamente aguda e elástica. Uma das melhores músicas pop mainstream desde a obra-prima do outro Justin.

18.
“Odessa”  – Caribou

Falando em Michael Jackson, essa aqui começa como se tivessem colocado uma banda disco numa mansão mal assombrada na Groenlândia. O falsete do Dan Snaith é a arma principal, sua repetição hipnótica no refrão confirmando que nenhum lugar é sombrio ou gelado demais pra se começar a dançar.

 

CONTINUE LENDO

2 Comentários

Arquivado em Atualidade, Música

Girl Talk Não Nos Convidou

Postado por Luis Calil

Ao me posicionar em frente ao palco Indie do festival Planeta Terra, às 02:00am, pra ver meu último show da noite, eu reparei (lembrei, na verdade) em algo que me deixou semi-apreensivo: o Girl Talk não tem banda; é só um cara e uns laptops. Não que Yeasayer ou Phoenix – outras bandas que também tocaram no festival – sejam o auge do carisma no palco, ou que as fantasias dos “dançarinos” de Of Montreal fossem visualmente instigantes, mas pelo menos essas bandas fornecem algum tipo de distração, algo pra observar enquanto você escuta o som (nem que seja pro meu colega Fabiano Ristow reparar que certo guitarrista de certa banda parece o Fiuk).

Na verdade, o conceito de um show onde o palco e o artista não são o centro das atenções é algo extremamente nobre; a música eletrônica ao vivo sempre operou dessa forma, desinflando o ego dos artistas, colocando o foco no prazer e movimento e interesse visual da própria platéia. O festival Planeta Terra, no entanto, não é uma boate ou uma rave, e indies são treinados por experiência a olhar pro palco. Eu temia que a plateia não fosse ficar visualmente distraída o suficiente pra se entregar ao show – a não ser que o Girl Talk tivesse um às na manga.

CONTINUE LENDO>

5 Comentários

Arquivado em Atualidade, Música

High School Classical

Postado por Fabiano Ristow

“Quem é fã de Penderecki?”

Daí que o ensino de música passa a ser obrigatório nas escolas a partir do ano que vem, o que pareceu uma ideia muito bacana até o momento em que não pareceu mais. Fui então regredindo em uma série de pensamentos aterrorizantes e culposos, a começar pela pergunta: mas o que a música ensina?

Ensina concentração, cooperação, linguagem e memória. É o argumento pedagógico. Ok, aprender a tocar instrumentos desenvolve todas essas habilidades. Isso provavelmente é muito útil para as crianças e encerra a questão da validade do ensino de música nas escolas.

Se eu tivesse tendo essa discussão ao vivo, é possível que eu concordasse com a conclusão, mas iria embora pensando com os meus botões: ok, é válido, mas não teriam outros assuntos mais válidos para se ensinar?

Eu odiava quando meus amigos falavam que Química e Física não adiantavam pra porra nenhuma, que eles fariam Letras ou Jornalismo e todas aquelas fórmulas e leis não adiantariam para nada. Aí eu, que já sabia que faria Jornalismo e teoricamente era para concordar com eles, dava a resposta pedagógica e fácil: “Vocês acham que essas matérias são inúteis, mas elas estão desenvolvendo em vocês o raciocínio lógico, a memória, a concentração, habilidades que serão úteis em qualquer profissão”, etc.

O problema é que logo depois que eu saí da escola eu percebi que tinha uma carência absurda de conhecimento a respeito de coisas práticas e importantes para a Humanidade. Por exemplo, economia e política. Aí eu pensei: certo, Química e Física desenvolvem todas aquelas habilidades e tudo, mas outros assuntos não teriam sido mais válidos? Aos 16 anos, você já pode eleger um presidente que vai definir, no mínimo, o futuro de um PAÍS. Se fosse obrigatório nas escolas o ensino de economia e política, você poderia tomar essa decisão de forma muito mais consciente e embasada, e contribuir para um mundo melhor e tudo o mais. Não seria mais útil?

Acontece que sair por aí defendendo o fim da Física, da Química (e da Música) seria de uma irracionalidade e pateticismo formidáveis, até porque, para muitos (muitos), essas matérias acabam sendo úteis na prática, e quem sou eu para definir uma grade escolar sentenciando o que deve sair para entrar Política e Economia. Isso significa que eu não vou defender nenhuma posição sobre essa questão. Então vou retomar de onde parei: aprender a tocar instrumentos musicais na escola é útil porque ensina um monte de habilidades.

CONTINUE LENDO>

1 comentário

Arquivado em Ciência e Tecnologia, Geral, Literatura, Música

Grizzly Bear “AmericanIdolizam” Seu Novo Single

Postado por Luis Calil


michael_mcdonald

Ele meio que lembra um urso. Polar.

Pense na sua música favorita desses últimos tempos. Qualquer uma. Agora imagine que a banda decidiu remover a gravação vocal original, que você já conhece tão bem quanto a palma da sua mão [1]. Apreensivo? Imagine então que o cantor que eles decidiram chamar pra gravar um vocal substituto é o Ed Motta. A não ser que a música que você escolheu seja do Ed Motta, a idéia deve soar no mínimo maliciosa.

Foi justamente isso que a devidamente venerada banda indie-folk-rock-psicodélico-etc Grizzly Bear decidiu fazer pro lado-b do novo single deles, “While You Wait for the Others”. O convidado foi Michael McDonald, o equivalente americano a essa modalidade de cantores soul/brega tipo Ed Motta, Fábio Junior, etc. De acordo com essa entrevista, McDonald é fã da banda, e foi inicialmente convidado só pra adicionar alguns backing vocals aqui e ali (como se essa banda, onde todos os membros cantam em praticamente todas as músicas, precisasse de mais backing vocals). Acabou que eles gostaram tanto das adições do barbudo grisalho que decidiram empurrar de lado o vocal maravilhosamente tremido e aveludado de Dan Rossen e colocar a monstruosidade que é a voz de McDonald no cockpit.

O resultado é monstruosamente divertido. Escutem:

CONTINUE LENDO>

3 Comentários

Arquivado em Música

Observações Sobre o Show do The National e os Eventos Subseqüentes…

…em Ordem Semi-Cronológica.

Postado por Luis Calil


*Não havia ninguém quando chegamos – nós sendo eu, Didier, Ana Paula e Kain, todos aparentemente fanáticos por The National (eu, é claro, sendo o mais pateticamente fanático – provavelmente de toda a platéia) – o que me fez pensar por alguns instantes que o The National tocaria pra uma platéia de 100 pessoas. Obviamente o número acabou aumentando pra pelo menos umas 600 quando a banda entrou no palco, e não é como se eles nunca tivessem tocado pra menos gente, especialmente considerando que o Brasil é um país tropical subdesenvolvido no qual rock independente não é exatamente um enorme chamativo. Mas mesmo assim, o fã em mim queria que eles recebessem a resposta apropriada ao talento.

*Falando em fãs, percebi que durante a noite, eu tomei várias atitudes cuja natureza tiética (derivado de tiete) não podia estar mais óbvia e clara. A primeira delas foi comprar um botão que estavam vendendo lá, com uma foto do Barack Obama, escrito “Mr. November” embaixo. Eu gosto do Obama, eu gosto da “Mr. November”, a idéia é cômica e pertinente (se há um refrão que eu espero que Barack cante num hipotético show de rock democrata, seria “I won’t fuck us over, I’m Mr. November”), e estava barato. Ainda sim, eu não vou ter muito uso pra esse botão agora.

CONTINUE LENDO>

12 Comentários

Arquivado em Música

SPIFF – Sábado 25

Postado por Luis Calil

Leonera (Pablo Trapero) – 7
Um daqueles casos onde o filme vai discretamente te fisgando: a primeira meia hora, introduzindo a situação da protagonista – uma mulher presa por assassinato e colocada na ala de maternidade de uma cadeia por estar grávida – se mantém num modo de observação naturalista respeitosa, sem nenhum aparente rumo, e embora o ambiente seja interessante (e inovador – não lembro de outros filmes sobre maternidade na cadeia), não parece que o filme vai chegar em lugar algum. De repente, o tédio sumiu, e eu notei que estava tentando segurar lágrimas – isso porque Trapero foge da brutalidade de filmes de cadeia e mostra a rotina da protagonista com extrema sensibilidade. E na segunda metade, o drama propriamente dito surge e dá um motor pra narrativa, que vira uma luta de uma mãe pelo seu filho, com direito a tensão Dardennesca. Tematicamente e psicologicamente simples, mas feito com bom gosto e inteligência.

Revanche (Gotz Spielmann) – 6
Gostaria de rever Revanche quando eu estivesse menos sonolento (o motivo desse sono eu não consigo compreender; a noite anterior foi a que eu mais dormi nessa semana). Não que eu tenha dormido durante a sessão, mas em alguns trechos eu tive que travar uma batalha com minhas palpebras, o que desviou a minha atenção de um filme que requer extrema concentração. O estilo de Spielmann é simples, sutil e quase clássico, sempre cortando no lugar certo, mexendo a camera na hora certa e mantendo um ritmo constante. E embora a premissa seja meio batida – é sobre vingança – ela é desenvolvida com bom gosto e inteligência (hoje foi o dia de bom gosto e inteligência). Mas eu acredito que mesmo uma experiência totalmente lúcida não ia acabar com a minha suspeita de que o filme poderia ter perdido uns 30 minutos (ou mantido um ritmo levemente mais veloz) sem nenhum problema.

The National @ Tim Festival
Eu não tenho tempo o suficiente agora para descrever a experiência; vou deixar isso para um post na terça ou quarta-feira, quando eu tiver voltado pra casa. Mas eles tocaram pra caralho, a voz do Matt tava macia como a bunda de um bebê francês, o set list foi bastante satisfatório, “Baby We’ll Be Fine” destruiu meu coração, eu fiquei rouco de gritar e nós (eu e amigos) passamos uns 25 minutos em total falando com membros da banda (e sim, tirando fotos). Nada mal.

1 comentário

Arquivado em Cinema, Música

Tim Festival

Postado por Fabiano Ristow

Neste dia pós-show do The National, eu me sinto como se tivesse terminado um namoro, ou como se tivesse apaixonado. Existe algo de extraordinário existindo, mas não posso (mais) tê-lo. Foi perfeito.

Já tem reviews do show espalhados pela internet, portanto só vou mencionar algumas curiosidades.

Em Slow Show, houve um problema com as caixas de som que forçou a banda a parar de tocar. Quando tudo se normalizou, foi o microfone do Matt que não funcionava. A platéia surpreendeu e o socorreu, cantando YOU KNOW I DREAMED ABOUT YOU FOR 29 YEARS BEFORE A SAW YOU a plenos pulmões. Matt não teve escolha a não ser apontar o microfone para a platéia. A banda entrou em êxtase.

Antes do show começar, eu estava no lounge de entrada quando reparo que ele, sim, ele, Matt Berninger, está vindo em minha direção. Tremendo que nem pau de vira tripa, fui em frente:

Eu: Hi. Excuse me. Sorry. We’re huge fans of The National.
Matt: Oh, hi. Nice to meet you.

Tirei foto. E agora estou feliz e apaixonado para sempre.

Perdi quatro quilos quando tocaram Squalor Victoria, na qual guitarras e metais se juntam a um único violino, insuficiente para reproduzir o conjunto de cordas que ouvimos na versão de estúdio. O resultado ficou perfeito, um arranjo crescente que explode num clímax orgasmático.

Setlist:

Start a War
Brainy
Secret Meeting
Baby we’ll be fine
Slow Show
Squalor Victoria
Abel
Racing Like a Pro
Mistaken for Strangers
Ada
Apartment Story
Fake Empire
Mr. November

Eu acho que eles iam terminar em Ada, mas o Matt insistiu umas três vezes para a equipe do Tim Festival os deixarem tocar uma saideira, depois mais outra e depois mais uma. Ele implorava com um dedo indicador balançando na direção dos homens ao fundo do palco que pareciam querer interromper o show. O pedido foi atendido – graças a Deus, porque o desfecho Fake Empire-Mr-November foi indescritível. Talvez o nosso amigo Luis, que vai assistir a eles hoje em São Paulo, possa nos oferecer uma descrição mais precisa para explicar o quão emocionante é vê-los ao vivo.

MGMT foi chato.

1 comentário

Arquivado em Música